Sem Carneirão, Vera Cruz jogará longe da torcida

Foto: Breno Valois. 

O Vera Cruz terá que viajar alguns quilômetros para poder mandar os jogos desta temporada. A lotação do tricolor de Vitória de Santo Antão terá parada obrigatória no Agreste do Estado, mais precisamente em Feira Nova, cidade com pouco mais de 20 mil habitantes.

A viagem não vai ser só de passagem, mas para cumprir uma etapa de compromissos que o clube terá pela frente no Campeonato Pernambucano da Série A2, marcado para iniciar em setembro.  O time vitoriense não poderá jogar no Carneirão, que não oferece condições de segurança e muito menos tem recebido os cuidados necessários, como manutenções elétricas e no gramado.  Com a estrutura comprometida, uma parte do muro da arquibancada cedeu.

Em um documento oficial emitido pela Secretaria Municipal de Cultura Turismo e Esporte do município, enviado ao clube, informa-se sobre “achados que inviabilizem no tempo presente a utilização daquele equipamento público para quaisquer tipos de eventos”, contestando a precariedade da praça esportiva.

O presidente do clube, Fernando Nogueira, foi notificado sobre a impossibilidade de mandar seus jogos em casa e desde então iniciou uma peregrinação em busca de um novo local para jogar. E encontrou.

“O nosso campo de jogo será o Gonzagão e inclusive acertei a questão com o prefeito daquela cidade, que nos recebeu de braços abertos. O campo tem um dos melhores gramados do interior. Não vejo outro com a condição melhor. Estamos na cidade para que possamos trabalhar”, disse o mandatário.

Fernando destacou que a apresentação do elenco acontece na segunda-feira (08), mas não deu maiores detalhes sobre a formação do plantel. O técnico da equipe será Wemerson Carvalho, que vem do futebol paraibano.  Em entrevista ao Panorama Esportivo, o cartola adiantou o nome de alguns contratados e a volta de outros jogadores. São eles:

Felipe Paranhos (goleiro),

Felipe Reis e Ney Paraíba (zagueiros)

Anderson (lateral-esquerdo),

Luís Henrique (volante),

Felipe Amorim (meia)

Carlos André (atacante)

Remanescentes:

Vinícius (goleiro)

Ricardinho (lateral direito)

Samuel (meia).

Foto: Breno Valois.

 

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Sport x Vitória: uma final cheia de segundos interesses

Inegavelmente, o confronto Sport e Vitória pelo Campeonato Pernambucano Feminino é regado pela rivalidade. Neste ano, os times se reencontrarão pela sexta vez neste sábado (1º), pela finalíssima do Estadual, às 15h, na Ilha do Retiro. Ao todo, são três vitórias das leoas e dois empates.

No primeiro jogo da final, o Sport levou a melhor e goleou o Vitória de virada no Estádio Barbosão, em Chã Grande, na quarta-feira (28). Na oportunidade, as leoas fizeram 5×1.

Mais que a briga pelo título, o duelo da volta tem outras intenções. As rubro negras querem colocar de vez uma pedra no caminho do Vitória e interromper a hegemonia de sete anos seguidos do clube vitoriense no Estadual. O último título feminino do Leão foi em 2009. O Vitória, claro, vai querer levantar o troféu pela oitava vez consecutiva.

A outra briga à parte é pela artilharia. A atacante Paloma, do Vitória, possui 10 gols na competição, enquanto Juliana, do Sport, possui 9 tentos anotados. Para o duelo, os times podem entrar em campo com as prováveis escalações:

Sport: Lorena, Rebeca, Bicê, Bruna e Amanda Leite; Ingryd, Jayanne e Regiane; Ariadina, Glaucia e Juliana. Técnico: Jonas Urias.

Vitória: Stefane, Nilda, Andressa, Bruna Natiely e Jucélia; Godoy, Rafaela, Rainy e Tamirys; Geovana e Paloma. Técnico: Diego de Deus.

Foto: Luciano Abreu/Site do Vitória

 

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Técnico do Vera Cruz tem estilo e projeta futuro no Galo

Marcio Souza
07/09/2016

Mal começou a segundona do Campeonato Pernambucano e ele já pensa muito alto no Galo (nada de errado nisso). Vito Capucho, o treinador do Vera Cruz, estreou com o pé direito na competição e deu o primeiro passo rumo à primeirona em 2017. A equipe somou os três primeiros pontos na tabela na rodada inaugural do torneio jogando contra “o pior time do mundo”, o Íbis (que de pior não tem nada).

Em Carpina, no sábado passado, o clube vitoriense venceu o Pássaro Preto por 4×2 numa partida acirrada e praticamente decidida nos últimos minutos da segunda etapa.  Bom para o treinador, que, em sua passagem por Pernambuco, já tem algo marcante para recordar. Capucho é nativo do futebol capixaba.

Em suas entrevistas nas emissoras de rádio assim que chegou por aqui, ele já deixava claro seu estilo de fazer futebol. O mandatário, além de possuir o perfil “INMETRO” de exigência com seus jogadores, adota uma visão estudada para montar o time: analisa, anota, modifica e põe em prática sua metodologia. Ousou no sábado passado ao deixar apenas o atacante Rafinha sendo responsável pelas finalizações. Deu certo, pois o jogador marcou dois gols.

A “beca” do técnico chamou a atenção no seu primeiro jogo. Capucho mostrou que tem estilo.

Para ele, acima do respeito aos oponentes, a segundona serve como laboratório para a elite. “Saímos na frente porque o pensamento nosso é o Campeonato Pernambucano 2017. Então a proposta de trabalho nossa é usar essa competição como preparação pra a gente chegar no ano que vem bem fisicamente e tecnicamente. Eu acho esse trabalho da segunda divisão, com respeito a todos, um laboratório. Nós estamos pensando sim no ano que vem, nós estamos pensando sim em subir”, disse ele ao Panorama Esportivo no fim do jogo passado.

O Vera Cruz descansa na segunda rodada, mas volta a campo no dia 17, contra o Afogados da Ingazeira, no Carneirão. Na tabela, a equipe ocupa a terceira colocação, ficando atrás do próximo adversário e do Barreiros.

 

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone